27.6.12

(In)decisões.


- Eu vou querer de chocolate, mamãe - a menina teimou.
- Ontem não era de morango, Marina? - a mãe tentou não se irritar com a indecisão da pequena.
- Mas hoje é de chocolate - Marina cruzou os braços e formou um bico com os lábios, mas em seus olhos havia um brilho maroto.
- Tudo bem. Que seja chocolate - ela pegou o telefone, que dessa vez estava dentro do armário de copos, e discou o número da doceria. - E que essa seja sua última palavra ou você vai ficar sem bolo, mocinha - ela usou seu tom de mãe e Marina pareceu entender o recado, pois balançou a cabecinha morena vigorosamente. O telefone continuava chamando, mas ninguém atendia. Ela desligou.
- Como estão as mulheres da minha vida? - ele cumprimentou e, como sempre, ela se sentiu flutuar ao vê-lo.
- Papai! - exclamou Marina, com um brilho alegre em seus olhos tão idênticos ao do pai.
- Pequena - ele depositou um beijo sonoro na bochecha da filha e voltou a colocá-la no chão, indo em direção à esposa.
- Boa noite - ela sorriu antes de sentir os lábios do marido sobre os seus.
- Tudo bem por aqui?
- Tirando a indecisão da sua filha, tudo vai muito bem.
- Não sei de quem ela puxou esse traço - sorrindo, ele afrouxou a gravata e voltou sua atenção para a filha. - Vou tentar ligar pra Sandra e comunicar a nova escolha da aniversariante - a esposa ignorou o comentário engraçadinho do marido e pegou novamente o telefone.
- Eu fico com ela - disse e beijou a mulher novamente. - Nina, vem aqui, pequena - ele se sentou em uma cadeira e pegou a filha nos braços.
- Que foi, papai? - Marina colocou o indicador na boca e olhou ansiosa para o pai.
- Você gostaria de passar uns dias só com o papai?
- Por quê?
- Mmm, vejamos... - ele se ajeitou na cadeira - A mamãe tem um compromisso de trabalho em outra cidade. Deve durar uns cinco dias. Então, nesse tempo, seremos só eu e você - ele sorriu, mas Marina continuou séria.
- E quem vai contar minhas historinhas?
- Eu posso contar, se você deixar.
- Tá.
- Tudo bem, então? - ele não acreditou que a única preocupação da filha fosse as histórias contadas todos os dias antes de dormir.
- Tudo. Posso brincar? - a menina pediu.
- Claro, meu amor - ele deu um beijo nos cabelos dela e a colocou no chão. Marina saiu correndo pela casa em direção ao seu quarto.
- Que cara é essa? - ela perguntou assim que entrou novamente na ampla cozinha.
- Falei com a Nina sobre a sua viagem.
- E...? - ela pegou um vidro de geleia de morango que estava sobre a mesa e começou a fechá-lo.
- Ela só perguntou quem contaria as histórias dela - sorriu ele. Ela lambeu a ponta de um dedo que havia ficado sujo e ele, interessadíssimo, acompanhou todo o movimento.
- Não fez birra? Não bateu o pé? Nem chorou desesperadamente? - os olhos castanhos dela aumentaram diante da incredulidade.
- Não - ele riu da expressão da esposa.
- Uau - ela se virou novamente para a mesa, ficando de costas para o marido.
- Ei!
- Uh?
- Você não está chorando, verdade? - ele se aproximou e virou a mulher de frente para si. Ela fechou os olhos por alguns instantes e, quando os abriu, as lágrimas fizeram-nos brilhar ainda mais.
- Ela está crescendo... Não sou mais tão importante...
- Que isso, amor. Ela te ama. Você é a pessoa mais importante na vida dela, acredite.
- Já não sei mais... - ela se agarrou à camisa do marido e apoiou o rosto na curva do pescoço dele.
- E na minha também - ele acrescentou. Vagarosamente, ela ergueu o olhar para o marido e viu os olhos dele brilharem. E era o mesmo brilho que se instalara ali no instante em que a conhecera.

5 comentários:

  1. Você tem uma escrita muito romântica,sentimental. Me senti cativada por esse texto, pela doçura, pelas mensagens reflexivas que nele se destacam.

    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou mesmo uma romântica incurável, rs. Obrigada (:

      Excluir
  2. Mais alguns milhares de 'owwwns' na minha cabeça. Vocês faz todos eles sentirem vontade de sair de mim, e não tem como dizer outra coisa depois de ler esse texto. Extremamente romântico e doce.
    Beijos!
    http://blogdoceilusao.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Orgulhinho da tia Rê.

    ResponderExcluir